O triunfo estatístico do banal

Por Muniz Sodré
No Observatório da Imprensa

Na quinta-feira (1/4), era um júbilo só o sistema Globo: a final doBig Brother 10, exibida dois dias antes, dera à rede de TV 40 pontos de média de audiência. “Menos que as edições anteriores (na ordem: 59, 45, 55, 56, 57, 51, 48 e 46 de média)”, comentava uma coluna do jornal, ressalvando: “Em compensação, a explosão na internet impressiona: foram mais de 154 milhões de votos, um recorde mundial emreality shows. Com isso, o programa se consagra como o único da TV brasileira quecumpre plenamente o objetivo transmídia. E isso não é pouco”. De fato, nada aí é pouco: “Em todas as dez edições doBig Brother Brasil, houve um total de 2 bilhões 558 milhões 958 mil e 35 votos na Globo.com.É muita coisa”.

Não se trata mais de fazer ressoar o bordão da crítica culturalista baseada de “bons” e “maus” conteúdos, para despertar a adormecida consciência educacional do público e terminar com uma sentença condenatória do show televisivo. Esse tipo de análise parece-nos hoje rigorosamente inútil ou serve apenas para alimentar de vez em quanto os surtos de moralismo cultural de setores reduzidos da esfera pública.

Pode ter alguma utilidade, entretanto, chamar a atenção para a persistência desse fenômeno mobilizador de audiência com as revelações dos cientistas políticos Amaury de Souza e Bolívar Lamounier no recém-lançado livroA classe média brasileira: ambições, valores e projetos de sociedade, em que ambos traçam um perfil da chamada classe C, isto é, os 26,9 milhões de brasileiros que, com 46% da renda nacional, superam os 44% das classes A e B. Segundo o estudo, trata-se de indivíduos sem qualquer consciência (política) de cidadania, mas que se reconhecem como cidadãos consumidores.

Estratégias de espetacularização

Seria muito interessante determinar de que estrato socioeconômico provém majoritariamente o público do BBB. Mas ainda que não se localize a sua origem nessa indigitada classe C, as tendências políticas e culturais parecem ser as mesmas, ou seja, uma vontade de se fazer presente na esfera pública, desde que essa “presença” não tenha nada a ver com os mecanismos clássicos da cidadania, que implicam participação coletiva na cena pública com o objetivo de influir sobre o controle social: mandatos parlamentares, vigilância sobre o orçamento etc. Com um peculiar sistema de votação para a eliminação de seus figurantes, o BBB cria um espetáculo participativo em que o envolvimento do público, por si só, faz as vezes de um livre movimento de atuação cidadã.

A utilização massiva da internet, conjugada com a audiência televisiva tradicional, é uma novidade mercadológica. Mantém-se inalterado, entretanto, o ponto de vista da crítica de décadas passadas, segundo o qual a cultura de massa “espetaculariza” a vida, ao mesmo tempo em que suas práticas estéticas fazem com que o afeto seja o principal apelo necessário à circulação de produtos e processos do mercado. O valor de sujeito é dado pelo acesso às novas tecnologias (agora, a internet), que propiciam a emergência de um “ser comum” centrado no afeto, na sensibilidade – e na banalidade.

Na mídia convencional (que alguns chamam de “jurássica”), cabe à retórica da propaganda ou da publicidade emocionar pelo discurso banal. As estratégias de espetacularização acabam por produzir um novo tipo de realidade que reorienta hábitos, percepções e sensações. A mídia deixa de apenas informar, para começar a fazer parte como sujeito ativo das relações sociais. É desta maneira que a figura do consumidor começa a adquirir um novo conceito de sujeito social configurado pelo mercado e confinado à esfera do consumo.

Uma espécie de gladiador

Apesar das aparências de mudança introduzidas pela internet, essa figura do consumidor é a mesma para o sistema da mídia. Mesmo que aumente o feedback ou a capacidade de resposta dos usuários de TV e internet (e esta de fato é enorme agora), o marketing midiático continua voltado para o seu público-alvo como uma massa a ser incorporada para efeitos de consolidação da audiência.

Quando o jornal diz que o BBB é “o único da TV brasileira que cumpre plenamente o objetivo transmídia” está na verdade assinalando o valor “moral” exclusivo da programação televisiva: ser um curto-circuito de si mesma. Embora seja apenas uma instância singular do sistema industrial comercial, o programa BBB está nos dizendo que a mídia quer ser apenas “mais-mídia” (não só televisão, mas televisão com internet), que não há qualquer finalidade social ou cultural além de sua própria realização técnica.

É natural que os 154 milhões de votantes do BBB 10 possam sentir-se como sujeitos que exercem democrática e comodamente, de dentro de suas casas, uma livre opção: isso ou aquilo, fulano ou fulana, homossexual ou homofóbico. A tecnologia digital amplia em muitos graus a mais a velha intimidade à distância propiciada pela telenovela. De mouse em punho, o espectador define-se de certo modo como o público da arena romana que decidia sobre vida ou morte do gladiador derrotado.

E talvez não seja absurdo pensar no participante do BBB como uma espécie de gladiador que se vê no espelho da mídia, dia após dia encerrado numa casa, tentando provar para concorrentes e telespectadores que ele é um si mesmo tal e qual se mostra, sem encenação. Nenhuma fera ameaça de fato os participantes e, no final, o vencedor torna-se um pequeno milionário. Para o espectador (classe C?), a moral da história deve ser buscada na animalidade do banal.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − oito =

ao topo