O Último Tango

“Não acho O Último Tango um filme masculino nem feminino. Muitas mulheres fantasiam sexo com desconhecidos, ou sexo poderoso, visceral, com machos que as tornem submissas. Brando, no filme, também se faz submisso à beleza juvenil de Schneider. Também se faz perdido. Louco. Mas “independente” ? De forma alguma”. Ruth de Aquino

aqui

ao topo