Oásis, de Rousi Flor de Caeté

Busquei seus livros

Estavam todos despedaçados

Passavam pelas pistas das memórias

Ou lapsos

Encontrei um único poema

Poema-ícone de sua genialidade

Fluidez, vida, pulsação, calmaria e alento

Corri para sua história

Encontrei registros de tempos em  que era musa na cidade… te escreveram ativa, ousada, voraz

Escreve a si mesma, diariamente, por todo este tempo ausente

Livros inimagináveis com letras invisíveis 

A cidade que, de tempos em tempos, deserda seus poetas

Te acolhe, para não ficar deserta

*para Sofia Gosson

Fotografia: Gustavo Matos

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo