Oásis

“Lê e medita. O estudo é como o sol e a reflexão é como uma bússola”.
Oásis Vol. 3 1904

Alvíssaras. Mais um grande lançamento das edições do Sebo Vermelho capitaneada pelo obreiro e amigo Abimael Silva. Trata-se da bela edição facsimilar em 3v da Revista Mensal Oásis que circulou entre nós no alvorecer do século XX. Edição muito bem cuidada em papel couchê numa tiragem limitada de 100 exemplares, com impressão do Miro Neto e participação do poeta capista Alexandre Oliveira.
Um resgate paleoliterário da maior importância para estudiosos e bibliófilos. Depois da 1ª parte (1894- 1902) editada pela histórica coleção Mossoroense, é muito bem vinda essa edição da 2ª fase que cobre o período de 1903- 1904. Agora, podemos ler novamente o que foi escrito na Belle Époque Potiguar. Poemas e prosas escritos ao arrulhar das aves em um tom fresco de uma paisagem rústica em relva verde-musgo aquarelando a manhã potiguar. De uma província que já se pensou formosa, de vanguarda e cosmopolita. Escreve o senhor U. Cavalcanti em 1903 (Oásis X, n3) : “Firma-se, acentua-se indubitavelmente, a preponderância intelectual do Rio Grande do Norte sobre os demais pequenos estados do Brasil “. E continua o Cavalcanti em “Por Todos” a lembrar dos plágios que devem ser denunciados, daqueles que defendem dúbios conceitos e dos que “trabalham na afanosa arte de escrever”. Lamentando, contudo, que as obras surgidas e por surgir não possam chegar à posteridade.
Na Oásis podemos ler ainda os textos do Abel Silva, a poesia de José de Abreu, Gothardo Neto, Pedro Mello e Thomas Salustino. Textos do Raul e Sebastião Fernandes, Rolando Montebello entre outros. Ler as resenhas dos livros de Auta de Sousa e Segundo Wanderley no frescor da hora. Tem ainda a deliciosa seção “Notas” dando conta dos últimos lançamentos e do expediente da revista.
No número 04, Ano X- 1903 lê-se em “Notas”: “O Lyrio”. Recebemos o n.6 desse periódico, dedicado ao sexo feminino, que se publica na capital de Pernambuco, e é redigido por uma comissão de Exmas senhoras vantajosamente conhecidas na imprensa do paiz.
Agradecemos de coração.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − cinco =

ao topo