Obra pós-moderna de Terron tem marcante força realista

Por Luís Augusto Fischer

Era uma vez o pós-modernismo, que veio ao mundo cheio de metalinguagem, alusão, fundo-falso, “mise-en-abîme” e outras piscadelas de olho à torcida letrada.

aqui

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo