Ódio

Por Luis Fernando Verissimo
ESTADÃO

Não vi a entrevista do Jô com a Dilma, mas, conhecendo o Jô, sei que ele não foi diferente do que é no seu programa: um homem civilizado, sintonizado com seu tempo, que tem suas convicções ­ muitas vezes críticas ao governo ­, mas respeita a diversidade de opiniões e o direito dos outros de expressá-­las. Que Jô fez uma matéria jornalística importante e correta não é surpresa. Como não é surpresa, com todo esse vitríolo no ar, a reação furiosa que causou pelo simples fato de ter sido feita.

A deterioração do debate político no Brasil é consequência direta de um antipetismo justificável, dado aos desmandos do próprio PT no governo, e de um ódio ao PT que ultrapassa a razão. O antipetismo decorre em partes iguais da frustração sincera com as promessas irrealizadas do PT e do oportunismo político de quem ataca o adversário enfraquecido. Já o ódio ao PT existiria mesmo que o PT tivesse sido um grande sucesso e o Brasil fosse hoje, depois de 12 anos de pseudossocialismo no poder, uma Suécia tropical. O antipetismo é consequência, o ódio ao PT é inato. O antipetismo começou com o PT, o ódio ao PT nasceu antes do PT. Está no DNA da classe dominante brasileira, que historicamente derruba, pelas armas se for preciso, toda ameaça ao seu domínio, seja qual for sua sigla.

É inútil tentar debater com o ódio exemplificado pela reação à entrevista do Jô e argumentar que, em alguns aspectos, o PT justificou-­se no poder. Distribuiu renda, tirou gente da miséria e diminuiu um pouco a desigualdade social ­ feito que, pelo menos pra mim, entra como crédito na contabilidade moral de qualquer governo. O argumento seria inútil porque são justamente estas conquistas que revoltam o conservadorismo raivoso, para o qual “justiça social” virou uma senha do inimigo.

Tudo isto é lamentável, mas irrelevante, já que o próprio Lula parece ter desesperado do PT. Se é verdade que o PT morreu, uma tarefa para investigadores do futuro será descobrir se foi suicídio ou assassinato. Ele se embrenhou nas suas próprias contradições e nunca mais foi visto ou pensou que poderia ser a primeira alternativa bem-­sucedida ao domínio dos donos do poder e acordou um dia com um tiro na testa?

De qualquer maneira, será uma história triste.

Comments

There is 1 comment for this article
  1. François Silvestre 27 de Junho de 2015 19:18

    É exatamente isso: uma história triste. Cujo insucesso não serve a ninguém. Nem aos inimigos do PT. Porém, os petistas não podem atribuir aos seus críticos o insucesso do seu governo. É torcer pra que haja uma saída, muito menos pelo PT e mais pelo Brasil. Tomara… Mas que o PT produziu uma história triste, só não ver quem se alimenta de fanatismo. Isso não perdoa os males da Direita anterior, mas expõe a tristeza de quem tinha a obrigação de fazer melhor. Essa conversa de redução da miséria pela esmola é só isso: Esmola! Reduz-se miséria e produz-se inclusão com emprego e geração de renda. Taí o resultado da esmola. Desemprego, inflação e insegurança social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP