OPÇÕES

Que o nó
Não afrouxe

Que a lâmina
Não cegue

Que o tambor
Continue cheio

Que a pedra do pescoço
Não caia

Que os rios e mares
Sejam profundos

Que a energia
Permaneça em voltagem máxima

Que os andares mais altos
Estejam com as janelas abertas

É chegada a hora
Preciso de opções

Sou artista visual, fiz várias exposições individuais e coletivas, já participei de salões, palestras, seminários, whorshop, projetos culturais, oficinas de arte, intervenções urbana e etc... Escrevi um livro de poemas "Agonia" que é mais pessoal que poético e gosto do portugues escrito de forma simples onde pessoas com menos formação acadêmica tenham condição de ler e entender. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 12 comentários para esta postagem
  1. Anchieta Rolim 21 de abril de 2013 20:09

    Valeu Nixon!

  2. NIXON BICHÃO 19 de abril de 2013 17:41

    Uma maneira forte e peculiar de falar de:SUICÍDIO,nos deixando tamanhas opções,para entender o pensamento do poeta… e viver intensamente…parabéns poeta nosso ANCHIETA ROLIM!

  3. Anchieta Rolim 16 de abril de 2013 11:30

    ha,ha,ha…Grande Alexandria, como sempre, acho massa suas leituras a respeito do que escrevo. Um super abraço meu irmão camarada! E como disse Marcos Silva…

  4. Marcos Silva 16 de abril de 2013 7:02

    Alexandria:
    Entendo que o poema nos apresenta a mórbida sedução da morte. Como diz Angela Rorô em antiga canção, só nos resta viver. E enfrentar aquela sedução.

  5. Alexandria Júnior 15 de abril de 2013 19:34

    Dá para ser mais mórbido, poeta? Não é o final, nem o fim de linha. Seria a única poética possível neste mundo caduco que tanto denuncias em tuas linhas? Seria a repulsa final? Não sei dizer, mas estou no aguardo dos próximos poemas. Grande abraço e que a veia não parta antes, ops…rsrsr, no sentido poético obviamente.

  6. Anchieta Rolim 13 de abril de 2013 20:35

    Valeu Lívio, você é outro grande poeta que eu admiro e que tive o prazer de conhecer. Um abração meu amigo!

  7. Lívio Oliveira 13 de abril de 2013 17:21

    Opto pelo seu poema, também, Anchieta.

  8. Anchieta Rolim 13 de abril de 2013 15:48

    Um poema e quatro comentários de quatro grandes poetas que tanto admiro. Danclades Andrade, Marcos SIlva, Jaíro Lima e Jarbas Martins, me sinto lisonjeado. Vocês são massa!!!

  9. Jarbas Martins 13 de abril de 2013 9:56

    Na medida, Poeta.Irretocável.

  10. Marcos Silva 12 de abril de 2013 23:17

    Seu poema é perturbador. Numa primeira leitura, opção entre formas de morte. Nas releituras, há um espectro de opção pela vida diante daquelas saídas fáceis. Optar pela vida é muito difícil. Ainda mais porque existem essas tantas opções.

  11. Danclads Lins de Andrade 12 de abril de 2013 19:29

    E que a pena esteja afiada, poeta. Este poema é uma arma branca, uma corda que aperta o fôlego, um passo a mais para a queda de uma escada… Gosto deste estilo. Gosto deste poema. Massa!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo