Orcrítica

A crítica de arte é orquídea,

pequeno testículo da arte.

Sua seiva não vem da raiz,

mas do caule onde se prega.

A orquídea também é assim:

mais bela que o tronco onde se agarra.

O tronco, nem beleza ostenta.

Sustenta a beleza da flor.

E a flor é uma parasita bela.

A crítica, uma bela parasita.

Ex-Presidente da Fundação José Augusto. Jornalista. Escritor. Escreveu, entre outros, A Pátria não é Ninguém, As alças de Agave, Remanso da Piracema e Esmeralda – crime no santuário do Lima. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo