Os 100 anos do “Eu”

Por Bráulio Tavares
JORNAL DA PARAÍBA

Em 1912, Augusto dos Anjos (foto), um modesto professor de escolas públicas, pediu uma grana emprestada ao irmão, juntou com algumas economias que vinha guardando, e publicou seu único livro de poemas: “Eu”. Esse título minúsculo e gigantesco parecia o anúncio de um enorme narcisismo, mas era o contrário disso. O poeta fala de si, mas sem nada dos suspiros afetivos e dos arroubos emocionais dos sonetos de seus contemporâneos. A impressão que se tem é que o “Eu” do título é o Universo, e o poeta que assina o livro não passa de um simples amanuense escolhido para ser seu porta-voz. A vastidão cósmica de suas imagens lembra Arthur C. Clarke e Stanley Kubrick.

Augusto dos Anjos é o primeiro poeta de ficção científica do Brasil, e o maior, até hoje. Seus poemas são tentativas de visualização de milhões de anos de história das espécies vivas, num Cosmos de forças obscuras ao qual ele, num esforço lírico compreensível, procura muitas vezes atribuir uma consciência semelhante à consciência humana. Leituras filosóficas e científicas se misturam nos seus versos com uma ambientação urbana repleta de mendigos, prostitutas, cães vadios, tuberculosos, bêbados, urubus. Entre a nobreza decadente dos engenhos da Zona da Mata e o panorama sombrio e insalubre das cidades que conheceu (João Pessoa, Recife, Rio de Janeiro) sua poesia mistura influências contraditórias e até hoje únicas em nossa literatura. É como ter Olaf Stapledon, o autor de “Star Maker” caminhando pelos becos por onde caminharam Lima Barreto e João Antonio.

Augusto não foi imune ao lirismo do seu tempo, aos modismos do seu tempo. Basta ver suas “Poesias Completas” para perceber que ele podia ser tão piegas quanto qualquer outro poeta daquele momento. Era capaz do mesmo sentimentalismo açucarado, do mesmo romantismo da-boca-pra-fora, composto de clichês verbais e de sinetas pavlovianas destinadas a emocionar os leitores já familiarizados com elas. Mas ao recolher uma pequena parte de sua produção para compor o “Eu”, o poeta acertou em praticamente tudo. Seu senso crítico lhe indicou com clareza em que pontos era diferente dos seus contemporâneos – e superior a eles. Cada poema ali contido é um paralelepípedo de novidade numa balança crítica que só servia para comparar pozinhos de um lirismo homeopático. O único “defeito” do “Eu” é não poder ter incluído poemas importantes que Augusto escreveu entre 1912 (ano em que o livro saiu) e 1914, ano de sua morte. (Acho que eu teria incluído alguns poemas pré-1912 também, mas é mero detalhe.) O que impressiona no único livro de Augusto não é o quanto foi novo quando surgiu, é o quanto ainda é novo cem anos depois.

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem
  1. Jóis Alberto 1 de maio de 2012 12:57

    Danclads Lins gostei de saber que Órris Soares coloca Augusto dos Anjos “no patamar de um Giacomo Leopardi ou de um Georg Trakl”. Os três são muito bons, mas sem dúvidas o melhor de todos, o que eu mais gosto de ler é o excelente Georg Trakl, grande poeta expressionista.

  2. Danclads Lins de Andrade 30 de abril de 2012 21:23

    O “Eu” é universal. O poeta foi do particular para o geral de forma brilhante, ou seja, partindo de suas observações, do seu mundo, Augusto dos Anjos, discorreu belissimamente sobre temas universais. Nele há uma cosmogonia muito bem expressa, como poucos o fizeram. E foi esta universalização que o tornou tão original mesmo 100 anos depois da publicação deste pequeno e definitivo livro. Não à toa, Órris Soares o coloca no patamar de um Giacomo Leopardi ou de um Georg Trakl.

    Tal como Jóis, também gostei do trecho que o autor diz que Augusto não foi imune ao lirismo de sua época, como percebido nas “Poesias Completas”, compiladas por Alexei Bueno, o qual, inclusive, recolheu em edições da “Revista Nonevar”, poemas do bardo paraibano que não estão no “Eu”. Entretanto, há quem o tenha tachado de poeta raquítico, esquisito e de poesia difícil, em face de sua poesia empregar uma linguagem científica aliada a palavras que chocariam os leitores da Literatura Agarapada do início do Século XX. Mas isto é perdoável, pois ele teria dito frases que “nem Spencer, nem Haeckel compreenderam”… Rsrs…

    Enfim, o texto de Bráulio Tavares prima pelos detalhes e crítica aguçada deste poeta que é um dos maiores da nossa Literatura.

  3. Jóis Alberto 30 de abril de 2012 19:13

    Excelente esse texto de Bráulio Tavares! Ótima homenagem ao centenário do livro célebre de Augusto dos Anjos. Dois poetas, Augusto dos Anjos e Bráulio Tavares, com os quais eu ainda tenho muito que aprender na arte da poesia. Esse trecho do texto de Bráulio Tavares é excelente: (Augusto dos Anjos) “era capaz do mesmo sentimentalismo açucarado, do mesmo romantismo da-boca-pra-fora, composto de clichês verbais e de sinetas pavlovianas destinadas a emocionar os leitores já familiarizados com elas. Mas ao recolher uma pequena parte de sua produção para compor o “Eu”, o poeta acertou em praticamente tudo” (…).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo