Os Judeus

Introdução:

Tenho uma grande admiração pelos Judeus. Alguns dos maiores cientistas e escritores foram judeus. No Brasil gosto muito do Márcio Souza e do Moacyr Scliar (foto). Amo Franz Kafka. Um dos maiores cientistas do mundo foi Albert Einstein, judeu.

Foram – os judeus – responsáveis por grandes transformações e desenvolvimento da humanidade.
O estado beligerante de Israel não é o povo judeu e seus profetas, escritores, artistas e cientistas maravilhosos.

Philip Roth e Paul Auster

Gosto muito dos escritores Philip Roth e Paul Auster. Considero os dois maiores escritores americanos da atualidade. Do Auster estou estudando a relação de seus personagens com o Quixote. Gosto muito dele como roteirista de Cortina de Fumaça e Sem Fôlego. Cidade de Vidro também dá um belo filme. Faz parte da trilogia de Nova Iorque. Gostoda inteligência e humor dos judeus. E até da poesia erótica judaica. Amo de paixão Woody Allen.

Philip Roth – A Alegria do Sexo e um grito de liberdade.

Um dos maiores escritores americanos da atualidade é autor de mais de duas dezenas de títulos de grande inventividade literária e engenhosidade nas tramas quase sempre recheadas de muito sexo e luta pela liberdade. Philip Roth nasceu em 19 de março de 1933 em Newark (Nova Jersey). Estudou nas
universidades de Rutgers, Bucknell e Chicago. Foi professor de inglês nas universidades de Chicago e de Iowa. Sua primeira obra, Adiós, Columbus (1959) – faz um relato da vida dos judeus nos Estados Unidos da América, ganhou em 1960 o National Book Award (Premio Nacional do Livro). O autor do belo “Complexo de Portnoy” é judeu e a cada livro seu lançado recebe duras críticas da comunidade judia e dos setores mais conservadores da sociedade americana. A comunidade judia americana é muito grande e poderosa. Essa comunidade que já forneceu não só grandes banqueiros, comerciantes como também maravilhosos cientistas. Em 1998, Roth foi merecidamente agraciado com o premio Pulitzer de ficção por seu livro
“Pastoral Americana”. Um belo livro, escrito num estilo beatnik com mais inteligência, que recomendo a todos. No Brasil saiu pela Companhia da Letras.

Outro livro seu de grande sucesso é O Professor do Desejo. Um belo título de uma novela engenhosa e muito inteligente que trata da obsessão pelo sexo e o medo do compromisso (parece que já vi essa história), vivido pelo David Kapesh (seu alter-ego), uma personagem recorrente nas novelas de Philip Roth. O professor do desejo fecha a trilogía iniciada com “O seio” seguida por “ O animal agonizante”.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + um =

ao topo