Os melhores filmes brasileiros da década

cidade de deus

“Você quer saber qual é o melhor filme brasileiro da década? Bem, na edição deste domingo do Segundo Caderno, nós publicamos o resultado de uma votação realizada por um júri convidado pelo GLOBO (eu, Alberto Shatovsky, Arnaldo Bloch, Arthur Dapieve, Érico Reis, Gustavo Leitão, Marcelo Janot, Miguel Pereira, Pedro Butcher e Rodrigo Fonseca). A lista ficou assim:

1. “Cidade de Deus”, de Fernando Meirelles
2. “Edifício Master”, de Eduardo Coutinho
3. “Tropa de elite”, de José Padilha
4. “O invasor”, de Beto Brant
5. “Cinema, aspirinas e urubus”, de Marcelo Gomes
6. “Estômago”, de Marcos Jorge
7. “Serras da desordem”, de Andrea Tonacci
8. “O cheiro do ralo”, de Heitor Dhalia
9. “Lavoura arcaica”, de Luiz Fernando Carvalho
10. “Ônibus 174”, de José Padilha

Além desses, outros 42 filmes foram lembrados pelo menos uma vez pelo júri. São eles: “500 almas”, “Abril despedaçado”, “Amarelo manga”, “Apolônio Brasil”, “Auto da compadecida”, “Bicho de sete cabeças”, “Boleiros 2”, “Cão sem dono”, “Carandiru”, “O céu de Suely”, “Chega de saudade”, “Cidade Baixa”, “Crime delicado”, “Desmundo”, “Dias de Nietzsche em Turim”, “Ensaio sobre a cegueira”, “Estamira”, “Estorvo”, “Eu me lembro”, “Eu tu eles”, “Fabricando Tom Zé”, “Falsa loura”, “Filme de amor”, “Garapa”, “Glauber, o filme – Labirinto do Brasil”, “O homem que copiava”, “Houve uma vez dois verões”, “Janela da alma”, “Jogo de cena”, “Linha de passe”, “Lost Zweig”, “Madame Satã”, “Meu nome não é Johnny”, “Moscou”, “Narradores de Javé”, “Nelson Freire”, “O passado”, “O príncipe”, “Quase dois irmãos”, “Santiago”, “Separações” e “Vinicius”.

“Cidade de Deus” ficou em primeiro lugar com sete votos. Enquanto isso, José Padilha foi o único diretor a aparecer entre os dez primeiros colocados, com “Tropa de elite” e “Ônibus 174”. Chama a atenção, ainda, o fato de que apenas um filme de 2009 tenha sido citado, que foi “Moscou”, do Coutinho – o que pode indicar a importância da distância temporal para a consagração de uma obra ou a realidade de que 2009 não tenha sido um ano tão bom para o cinema. (O GLOBO)

ao topo