Os pesos e penas de Anchella Monte

Sou um náufrago das palavras. Me emburracho nelas. Para tecer o poema, projeto. Para viver só preciso da chuva e dos ventos. Com as palavras posso me mapear pelos sete chakras e cicatrizes .

Guardar amarelece, prefiro não cortar os sentidos e cabelos. Anchella lança o seu petardo soltando afagos com o olhar. A cada lustro um rebento. “O círculo é o mundo” diz Anchella se embriagando das águas São Pedro – Potengi.

Rios. Rio escorre reveses que a vida inventa e conserto com as palavras. A poeta sofre com a dor do mundo. “Quando você cortou os pulsos as minhas veias sangraram”. Mas, adverte: A dor não conserta nem ensina. A dor poema. Pensa em não ler mais nada e cortar palavras. È esse o ofício do poeta. De uma casa promontório a poeta ver o mundo extasiada. O Gato. O Azulão. A Arvore que chora. O Beija-flor. O poema na Parede. A rede suspensa nas varandas. O tempo para. O relógio não tem tempero.
Maria olhe o feijão queimando. Seu nego chegou de porre. A vida é mesmo redundante, constata a poeta.
É a hora do Ângelus e tudo fica calmo. A rua olha a casa meu prumo. Minha pasárgada-promontório de onde a poeta descreve o mundo para nós náufragos. Alvíssaras. Ave Anchella. Ave pesos e penas. Todos caem com a mesma aceleração da gravidade da poesia monte solidão é nada.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 4 comments for this article
  1. Anchella Monte 9 de Outubro de 2011 7:44

    Obrigada, João! A noite do lançamento foi realmente muito festiva, com leituras e reencontros. Muito gratificante. Um grande abraço. Anchella

  2. Olavo Saldanha 9 de Outubro de 2011 19:51

    Noite agradável. Estivemos lá, eu e o Anchieta Rolim, Clarissa nos recepcionou muito bem e , Anchella, parabéns pelo rebento literário. Lido e repousado na mesa para outros que me visitam para um café, conhecerem, até subir à estante para esperar o próximo.

  3. roberta kelly 29 de Novembro de 2012 17:27

    adorei conhecer o seu livro sou aluna do 1 ano do 2 grau e estou estudando sobre o seu livro pesos e penas o poema a boneca da china e o poema erro na escola Adelino Dantas amanhã vamos apresentar a peça a boneca da china vai ser muito interessante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP