Oswaldo Montenegro no Buraco

É muita falta de responsabilidade desses artistas de renome nacional que vêm dar sua graça por esta província. Desleixo, falta de respeito. Podia citar um monte de adjetivações. Explico: dei uma passada rápida ontem à noite no Buraco da Catita – um chorinho de primeira ali na boa Ribeira – e quem estava lá? O Oswaldinho Montenegro, o mesmo que tinha um show marcado para as 22h no Boulevart, no outro lado da cidade. Aliás, já em Parnamirim. Saí de lá às 21h30 e o sujeito ainda estava por lá muito despreocupado, ao lado de seu colega Diogo Guanabara. Soube que o show só começou às 23h30. Antes fosse a primeira vez do ocorrido. É de praxe os atrasos em shows. Mais das vezes os caras-de-pau culpam a passagem de som, o atraso no vôo, o trânsito. Eu é que não perco meu tempo e dinheiro. Ainda bem que existe o Seis e Meia!

Comentários

Seja o primeiro a comentar
  1. Cris 22 de julho de 2008 2:22

    Eu fui ao show, e realmente houve um grande atraso, mas isso foi o de menos. Na verdade, já estive em três apresentações de Oswaldo Montenegro, e em nenhuma delas houve atraso. Apenas no Boulevard isso foi acontecer. Não tinha ido a nenhum show no Boulevard antes, por isso não posso afirmar categoricamente que a culpa foi da casa, mas ouvi outras pessoas dizerem que os atrasos lá são regra. O motivo: eles ficam esperando as pessoas chegarem, comerem, beberem, para o show poder começar. E aqui chegamos ao primeiro ponto (agora sim!) da minha crítica categórica: ora, a gente come e bebe ouvindo música em praça de alimentação de shopping, em churrascaria, quando um qualquer está tocando, geralmente a música mais batida de Djavan. E a gente torce pra que o sujeito tenha um ataque e cale a danada da boca. Mas a gente não vai comer quando se desloca especialmente para ver um show, para apreciar as músicas. Então, pra começo de conversa, achei um desrespeito isso de ficarem vendendo comida lá nas mesas. Segundo ponto: a “atração local” foi um cara tocando “órgão” (digo assim para caracterizar bem o som do sujeito; aquele tsc tsc repetido); me senti num barzinho de enésima categoria. Um conhecido até brincou dizendo que era o cara que tocava no supermercado Nordestão. O “show” da atração local foi que começou às 22:00, o que indica que o atraso não foi do Sr. Montenegro. Bem, e quando ele finalmente entrou no palco, teve que sentar nuam cadeira de plástico, todo desajeitado. O público não ajudou: havia mulheres histéricas gritando “gostoso” quando o espetáculo e a própria postura do artista não permitiam esse tipo de comentário. Durante o show ele perguntou umas três vezes se a gente estava ouvindo bem (e não estava…o fato de o local ser aberto não ajuda). Não foi um show de Oswaldo Montenegro. Não teve o astral, a intimidade (e curiosamente o nome da turnê, é “Intimidade”) dos shows que ele costuma fazer. E sinceramente eu o desculpo. Pra apresentações dele, vou quando puder. A voz dele é poderosa, o astral é maravilhoso, e ele tem músicas muito bonitas (Se puder sem medo, Por brilho, dentre outras). Mas no boulevard, meu amigo, não coloco os pés, a não ser que seja um show absolutamente imperdível, tipo REM vem pro Brasil e só vai tocar no Boulevard. Rá…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo