[Ousadias] Yona, a mãe e os meninos, de Anchella Monte

Yona, a mãe e os meninos

 

Não se doma o coração

a pulsação faz as escolhas

colha-se da plantação alheia

a santa ceia

a ceia pagã

a lua cheia

enquanto olhos desafiam os demais sentidos.

 

Em corpo vigoroso sem vestido

botas  permanecem

desfazendo uma possível ternura.

Escura sua face quando alegre

clara quando tange a  mãe para os desvios.

Domadora de rapazes femininos-

perdidos estes! – e por cada um estremece.

 

Que prece lança a mãe aos céus

pela filha que a mantém longe e turva?

Yona tem um templo de atirar poemas

de levantar um chapéu de abas

fazendo verter um ardor em demasia

em demasia um mundo

em demasia um coquetel de farpas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo