Outras tropas

Amigos e amigas:

Consta que um hacker invadiu o pc de José Padilha e teve acesso a versões alternativas de “Tropa de elite II”, descartadas por enquanto mas preservadas para possíveis tropas III, IV e V – já em negociação com grandes produtoras norte-americanas e os estúdios da Globo:

1) O oficial André se descobre apaixonado pelo Coronel Nascimento mas rejeita essa faceta de sua personalidade por receio de ser desmoralizado publicamente pelos inimigos que granjeou na luta contra o crime – um deles já o fotografou em estado de ereção, embora vestido, ao cumprimentar seu superior hierárquico. Essa renúncia ao amor e ao desejo o torna depressivo, embora o rapaz preserve a capacidade de combate a violadores da lei – tarefa cada vez mais penosa, englobando castração química dos criminosos e banqueiros inimigos da Lei. Nascimento entende o que se passa e confessa ao querido amigo um drama pesoal: toda sua libido está concentrada no trabalho, goza apenas digitando relatórios secretos de combate à corrupção e de denúncia de tráfico de influências, além de entrevistas em programas policiais de televisão. O filme se encerra com os dois rumando para o exílio na Dinamarca, onde desfrutarão de merecida aposentadoria e possível felicidade conjugal.

2) O coronel Nascimento se submete a psicoterapia para superar uma insônia de décadas e se descobre talentoso ator. Participa de uma montagem alternativa de “O diário de Anne Frank” e, para surpresa geral, protagoniza a peça com grande sucesso de crítica e público. É convidado para uma refilmagem de “O que é isso companheiro” (papel de jovem guerrilheira), embargada pelo autor do livro original, que alega estar sendo deturpado por petistas que apenas desejam fazer relembrar seu passado embaraçoso – combateu uma ditadura de direita e usou tanga de crochê artesanal, o que não cola bem em tempos pós-retardo-liberais. Apesar disso, versões piratas da refilmagem circulam amplamente e Nascimento merece indicação para o Oscar de melhor atriz, amadrinhado por Liv Ullmann, com apoio da senhora Nascimento e de seus nove filhos.

3) Depois de abduzido por uma nave de outra galáxia, o coronel Nascimento se torna monge budista e renuncia a qualquer forma de violência, incluindo participação em filmes de José Padilha. Filme contemplativo, o público pode demorar a entender tanto silêncio. A crítica reclamará da violência contida nessa quietude – longuíssimos planos.O diretor revidará com uma biografia naturalista de Erasmo Dias. O filme contará com participação especial de Monique Evans no papel de monja idosa e sábia.

Abraços a todos e todas:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + três =

ao topo