Paramiologia

Ilustração: Provérbios Flamengos (1559) – Pieter Bruegel, o velho

“Parece-me, Sancho, que não há rifão que não seja verdadeiro, porque todos eles contêm sentenças consagradas pela experiência, mãe de todo o saber.
( Dom Quixote de Miguel de Cervantes)

“Parece-me, Sancho, que não há rifão que não seja verdadeiro, porque todos eles contêm sentenças consagradas pela experiência, mãe de todo o saber (Dom Quixote de Miguel de Cervantes)

A paramiologia é um dos assuntos mais férteis da literatura popular. A sabedoria do povo na forma de ditos seculares que remontam à idade média. O Dom Quixote de la Mancha é um rico manancial de paramiologia, onde abundam os rifões, provérbios, frases proverbiais, anexins e outros tipos de parêmias. O Sancho Pança e sua mulher Tereza Pança falam muitos rifões. O Quixote também, apesar de reclamar do Sancho sua proverbial sabedoria. No prefácio à edição do Quixote em 5v pela José Olympio, Cascudo escreve sobre esses provérbios que encantam gerações e estão muitos presentes na nossa cultura e nas falas dos nossos pais e avós. É lamentável a fala do senhor Ivan Lessa ( BBC, postado aqui) que conhecesse um pouco mais a cultura brasileira não diria asneiras e receberia o conselho do Quixote ( parafraseando) : – Nunca interpretes arbitrariamente o que a sabedoria popular diz como fazem os ignorantes que têm presunção de ter grandeza.

Excertos de Paramiologia do Quixote:

1-As sentenças ou máximas contém uma sabedoria popular

Mas vale bom nome que muita riqueza (Sancho II, 33) Eclesiastes VII, 2

2-Provérbio

Sempre ouvi dizer: Quem canta seus males espanta (I, 22)

Virgílio – Georgica I, 293 (citado por Cascudo in obra cit.)

3- ADÁGIO

[…] cumprindo-se o adágio de que às vezes paga o justo pelo pecador (I, 7)

Una golondrina sola não hace verano (I, 13),

Uma andorinha só não faz verão

Uma andorinha só não faz primavera

Em português e espanhol medieval e clássico é comum a sinonímia verão e primavera.

Conselhos de Dom Quixote a Sancho Pança, antes que seu escudeiro fosse governar a ilha baratária.

-Nunca interpretes arbitrariamente a lei, como costumam fazer os ignorantes que têm presunção de ter grandeza.

-Anda devagar, fala pausadamente, mas não de forma que pareça que te escutas a ti mesmo, porque toda afetação é má.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 5 =

ao topo