Pascal, Deus e a fineza

Amigos:

O filósofo romeno-francês Lucien Goldmann (já vi o sobrenome dele com um e com dois enes mas isso não muda seu pensamento) escreveu um bonito livro sobre Pascal, “Le Dieu caché”, até hoje inédito no Brasil – uma edição da Paz e Terra incluiu um capítulo avulso desse livro. Goldman(n) fala sobre a angustiada crença de Pascal nesse Deus que não se mostra. Crer é uma aposta naquilo que não nos dá certeza nenhuma.

Num sentido paralelo, o “ésprit de finesse” de que o jovem Pascal (morreu aos 39 anos) falou anda muito oculto. Pena que a fineza ainda seja para poucos.
Mas as coisas podem melhorar, como diziam os Beatles: “It’s getting better all the time”. É o rock oculto.

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Go to TOP