Pax que te quero Pax

Augusto Severo de Albuquerque Maranhão

“ Quando Ismália enlouqueceu
Pôs – se na Terra a sonhar
[ ………………………]
Sua alma subiu ao céu
Seu corpo desceu ao mar”

Alphonsus de Guimaraens, 1902

Pax and Bis

Atravessando os ares nunca d’antes navegados
Ousam repetir o feito de Ícaro e alçam vôo rumo
ao imponderável numa linha noturna de Baobás.

Meninos os vi atravessando o Atlântico Sul.
Pela primeira vez nas asas de Gago Coutinho
e Sacadura Cabral .

Num “14- bis”, Santos Dumont voa no mais-pesado – que – o – ar, no campo de Bagatelle.
Não agüentou e suicidou-se
vendo seus irmãos usarem seu invento
para guerrear

“Pax” disse Augusto Severo
– o domador de ares – nos céus de Paris
Era o dia 12 de maio 1902
O Pax subiu
Subiu quatrocentos metros
Evoluiu
explodiu
Caiu

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 2 =

ao topo