Pílulas para o Silêncio

(PARTE XVIII)

Chamego

Antes do abraço, o sofisma do amor eterno. Depois do chamego, o espinho do ciúme-inferno.

***

Quando se escreve imerso na alegria, a criação não nos extasia. A tinta da dor vai direto aos olhos do coração.

***

Nada de ontem para um pouco de agora, a fim de termos um nada amanhã.

***

Na chegada, o riso da lembrança. Na permanência, o trato da malquerença. Na partida, o travo da distância.

***

Quem aplaude fácil nos há de vaiar ainda mais depressa.

***

Diálogo entre dois construtores da província.
— Quem “convencerá” o secretário de obras, eu ou você?
— Depende da intenção.
— Da intenção?!
— Se o propósito for o de seguir a lei, nem eu, muito menos você. Mas se for mais um caso de “superação das barreiras legais, em prol dos empregos sociais”… tanto faz; eu ou você. Compreendeu?
— Sei, sei. Preparemos, então, a pasta com o “vil argumento”.

Clauder Arcanjo — Escritor
clauderarcanjo@gmail.com

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo