Pílulas para o Silêncio (Parte CVI)

Parem com esta música! Deixem o silêncio varar o terraço da noite, varrendo o lixo das questiúnculas que contaminam os nossos saberes.

***

Albergado na paciência, eu deixei a morada do novo para me exilar no pântano da pútrida mesmice.

***

Dormem na cama da vergonha aqueles que não ousam enfrentar os vândalos da Terra da Esperança.

***

A pena seca quando o aplauso prepondera. O mote desaparece quando a pretensão rima. E o verbo se apequena no exato momento em que o sucesso dobra a esquina da página a ser escrita.
clauderarcanjo@gmail.com

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo