Pílulas para o Silêncio (Parte CXVI)

País de agosto

Que o poema vista de domingo cada dia
e atire foguetes para dentro do quotidiano.
Que o poema vista a prosa de poesia
ao menos uma vez em cada ano.
(Manuel Alegre, em País de Abril)

Que o desgosto de agosto não enterre a semente da desesperança no terreno fértil de tantos desenganos. Assim espero, assim recitarei.

***

Que o mofo do cotidiano não azede o leite das nossas utopias; e, caso isto se dê, que tal coalhada seja servida em mesas fartas e limpas. Assim espero, assim professarei.

***

Que o poema seja capaz de instilar, em nossas manchetes e matérias de jornais, em nossas cartas, até em nossos bilhetes suicidas, a suprema engenhosidade de converter a prosa vetusta e árida em límpida e balsâmica poesia. Assim espero, assim o farei.

***

E, quando agosto passar, ele não deixará nem o menor rasto de sua maligna epifania.

 

Ilustração: escultura da artista alemã Rebecca Horn, Barcelona, Espanha.

Professor, contista, poeta, cronista. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP