Pílulas para o Silêncio (Parte LIV)

Não omitas…

Não omitas o teu sorriso quando a máscara da dor for arremessada em direção a tua face. Faze com que o teu riso derreta o molde e cuida de jogá-lo no fundo do vale mais profundo.
Não omitas a gargalhada fatal caso a dor, tal qual teimoso bumerangue, voltar para junto de ti.

***

Há as mesmas novidades. Velhas e revelhas, mas sempre maquiadas e tisnadas de falso brilho.

***

Dizem que adoram a cultura, ao tempo em que cultuam a mediocridade.

***

De onde vem tanta fúria? De onde surge tanta cólera?
Em um mundo assim, a esperança é, quase sempre, sintoma de loucura.

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =

ao topo