Pílulas para o Silêncio (Parte LX)

“E na mesa do meu quarto sou menos reles, empregado e
anônimo, escrevo palavras como a salvação da alma…”
(Fernando Pessoa, em Livro do Desassossego)

Eu e meus outros eus

No sonho, a lembrança do meu eu de antigamente. Brincalhão, amigo do folguedo e das risadas; atraído pelo brilho do amanhã, fiz-me confesso admirador do que ainda poderia advir-me.
Ao acordar, submerso na rua dos compromissos, a trocar confidências com minhas vicissitudes, a ponderar entre a segurança dos cobres, das posses e a patuscada de outros eus, meti-me pela esquina do espelho do agora, e quase não vislumbrava o espectro de mais nada.
Ao percorrer as avenidas do outono da tarde, entre drapejo de lamentos e acoito de omissão, flagrei-me novamente vazio de mim. Palhaço vestido de angústias. Entre o vácuo de meus eus e outros ajudantes de guarda-nadas.
No ocaso de tudo, inútil, quedei. Só, tão só; voltando, com insistência, a devanear — círculo vicioso e virtuoso — como o feitio de antigamente. Eu e meus outros eus.

***

Só se diz bem, quando nada se pretende dizer. A ilusão da exata biografia borra as tintas.

***

O pensamento tem ares de liberdade, e fumos de arrivista ilusão.

***

Há madrugadas em que o silêncio engole, placidamente, a carne do espírito da noite.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo