Pílulas para o Silêncio (Parte V)

PÍLULAS PARA O SILÊNCIO
(PARTE V)

De tanto crer no destino, ele construiu a tapera da espera no terraço dos seus dias.

***

Nada substitui a preguiça para os adoradores da inapetência.

***

Na manhã pretérita, assisti ao reclamar insistente de dois indivíduos, rangindo os dentes da sua falta de vontade de lutar, contra a má sorte.

***

Diálogo entre dois preguiçosos da província.
— Deus não me acode mais, sabia?
— Para mim, companheiro de desdita, Ele nunca moveu uma palha sequer.
— Como Deus é cruel! Melhor, crudelíssimo.
— Concordo. Concordo.
E, juntos, foram reclamar, ao pároco da Matriz, aquela ignóbil e inexplicável perseguição divina.

Clauder Arcanjo — Escritor
clauderarcanjo@gmail.com

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Anchieta Rolim 11 de novembro de 2011 14:24

    Bom demais grande Clauder. Aguardo parte VI.

  2. Jarbas Martins 11 de novembro de 2011 9:29

    suas pílulas para o silêncio são eficazes remédios contra o tédio, a mesmice e a falta de imaginação na literatura contemporânea. abraço do amigo e admirador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo