please take care of me, nina

sou um bicho frágil
cachorro magro, quebranto
um edifício em constante desmoronamento
automóvel cortando sinal vermelho
veloz bernardo vieira no rush

uma legião de baratas acossadas
um rato pego pela ratoeira
sou vampiros no sol
6 de agosto de 45
um pára-raio de hecatombes
weltschmerz over my shoulder

please take care of me,
nina musa de gatilhos acionados
tenho querido lhe dizer
sem usar as melhores palavras.
_
post-scriptum aos demais: não me parabenizem por esse poema!

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Marcos Silva 14 de agosto de 2011 20:13

    Jota:

    Os demais são livres para parabenizarem ou não. E vc é livre para aceitar ou não os parabens.

  2. Eliane Dantas 14 de agosto de 2011 17:56

    Poetry? No. No. No.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo