POEMA DA VAIDADE DO ANIVERSÁRIO

Fernando Monteiro

Não é bem um poema
neste 20 de maio dos 62 anos
que – olho – oh, sumiram
menos
que estes seis versos
persistentes na lembrança:
“Embora nada devolva
a hora do esplendor na relva,
da glória na flor,
não sofreremos;
antes, encontraremos força
no que ficou para trás”.

Versos que eu jamais
saberia escrever
porque são de William Wordsworth.
[Então, o poema é dele.]

Recife, 20 de maio de 2011

Comentários

Há 22 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 14 =

ao topo