poema na boca do lobo

náufrago confesso
afundo cada barco que navego
e nada me tange

choro o potengi
embriagado esgoto a dentro
só ratos me lambem

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem
  1. C!Vone 21 de julho de 2011 19:52

    Rata de Mombaça confessa: (m)O-L’AMbO! Mui’TOO!!!

    Sa,

    ^C!V

  2. horácio oliveira 21 de julho de 2011 12:44

    Aí, Mombaça. Imbatível!

  3. Jarbas Martins 21 de julho de 2011 11:30

    curti muito, Jota

  4. Paulo Procópio 21 de julho de 2011 10:51

    hard man.

  5. Carlos de Souza 21 de julho de 2011 10:23

    jota é de uma linhagem que começa com rimbaud. taí, meu primeiro jogar de confetes, aqui. me lasquei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo