Poemétrica

arremedo
em
sons
do
silvo
ao
berro
chegante

————————-

escreviver
é
o
último
pesadelo
que
advir

————————-

banho-me
num
metal
chulo
a
troco
de
merrecas

————————-

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 5 =

ao topo