Poesia

Até parece sonho,
A verdade que componho…
Alma transparente,
“Pele nua”, traduz meus sentimentos
Sem nenhum pudor.
Como verso, pura quimera… Diriam…
… E a vontade de viver.
A rima é o contra-verso… E o re-verso.
Se é para falar, silencio…
Se é para rir, choro…
Se tiver saudades, canto…
Se vier o medo, sigo…
Sem olhar para os lados.
Meu pássaro alado,
Meu mais velho invento…
Assim sigo, segues
Como irmãos e filhos,
Mãe e pai do tempo,
Aprendizes, somos.
Vagos de incertezas;
Plenos desta prosa;
Pobres de ilusão.
Coragem,
Loucura,
(Coração de poeta),
“Corpo de mulher”,
Sentimento em universo.
(Solto dentro da prisão
Abstrata do amar…)
Parece sonhar o poeta,
Quando diz
A mais pura flor da verdade
Em seu sonho.
Esbarro, num caudaloso rio de mim
E, não me banho…
Meu leito vira rio
Para o deleite do espanto (…)
A minha melhor prece é a poesia,
Onde planto versos
E colho rimas.

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP