Poesia urgente

moacy cirne

Uma estrela a menos,
Uma saudade a mais.
Hoje o silêncio faz um verso
Eternamente triste.
Eternamente novo.
Um sorriso sisudo *
Um poema mudo.
Inacabado…

In memoriam: Moacy Cirne.

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem
  1. Paulo Caldas Neto 23 de fevereiro de 2014 13:25

    Muito bom, querida!

  2. Oreny Júnior 13 de janeiro de 2014 18:24

    Ednar,
    É um maracanã mudo, um fluminense derrotado, um pranto. Um texto merecedor, Moacy.
    Abraços!

  3. Sérgio Caetano 13 de janeiro de 2014 16:18

    Excelente homenagem a um excelente estudioso das letras. E assim mais um ciclo se completa, com a ida de Moacy, ficaremos aqui com seu legado, para dar continuidade com a mesma importância, despreendimento e amor com que sempre fez o seu Moacy.

  4. Bené Chaves 13 de janeiro de 2014 10:45

    A sua sensibilidade, Ednar, reflete o momento triste da partida de nosso amigo. Parece-nos ainda um pesadelo. E a captação de seus versos revela isso. Você é exemplar na arte do perceber, do pesar e lastimar.

    Bené Chaves

  5. Anchieta Rolim 12 de janeiro de 2014 20:36

    Belas homenagens, belos textos. Moacy é merecedor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo