Poeta ERICA FREIRE: Sertão metropolitano

SERTÃO METROPOLITANO

Falo de um povo

Que puxa água do poço

Cacimba artesanal

Usando a força braçal

 

Andando na estrada carroçal

Morando no matagal

Casinha de taipa

Achando legal

 

Crianças de pé no chão

Soltando rojão

Em noite de São João

Ao som do Gonzagão

 

Transportadas em pau de arara

Estudando em escola precária

Trabalhando na pedreira

Longe das brincadeiras

 

Ajudantes dos pais

Que força não tem mais

Após explosão

Que levou sua mão

 

Um golpe de navalha certeira

Aquela pedra desgraceira

Amputou a ferramenta

Valiosa que o sustenta

 

Acidente trabalhando

Sob o sol queimando

O dia todo batendo, cortando

Pedra, pedrinha, pedrando

 

O que esperam do futuro

Um tiro no escuro

Na terra onde celular não dá sinal

Às margens da capital

 

(Erica Freire)

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 − um =

ao topo