Polanski ganha Urso de Prata em Berlim

O cineasta franco-polonês Roman Polanski foi premiado neste sábado com o Urso de Prata de melhor diretor no Festival de Cinema de Berlin, pelo thriller político “The Ghost Writer”.

O cineasta de 76 anos está em prisão domiciliar na Suíça enquanto aguarda um processo de extradição para os Estados Unidos, onde seria sentenciado por pedofilia.

Polanski já venceu o Urso de Ouro em 1966 por “Armadilha do destino.”

A pós-produção de “The ghost writer”, filme baseado em um romance de Robert Harris, foi feita enquanto Polanski estava na prisão e, depois, no seu chalé de Gstaad. Ele foi condenado nos EUA por ter feito sexo com uma menina de 13 anos em 1977.

Os russos Grigory Dobrygin, 23 anos, e Sergei Puskepalis, 43 anos, levaram, juntos, o Urso de Prata de melhor ator pela interpretação em “How I ended this summer”, um filme de Alexei Popogrebsky, na noite deste sábado ao final da 60ª Berlinale.

A japonesa Shinobu Terajima foi considerada a melhor atriz, recebendo também, o Urso de Prata pelo papel de esposa mártir de um soldado mutilado atrozmente em “Caterpillar”, de Koji Wakamatsu.

O Grande Prêmio do Juri (Urso de Prata) ficou com o filme romeno “Eu cand vreau sa fluier” (“Se quiser apitar, eu apito”), de Florin Serban (Romênia/Suécia).

O prêmio principal, o Urso de Ouro de melhor filme, ficou com o filme turco “Bal” (“Mel”), de Semith Kaplanoglu. O filme conta a história de um jovem que se aventura na floresta atrás de seu pai que desapareceu.

“Apart Together”, da China, levou o prêmio de melhor roteiro. O sueco “Sebbe” levou o prêmio de melhor estreia. O Prêmio Alfred-Bauer, nome do primeiro diretor da Berlinale, foi para “Eu cand vreau sa fluier, fluier”, de Florin Serban (Romênia/Suécia).

O prêmio de Melhor Contribuição Artística ficou com Pavel Kostomarov, pela fotografia de How I ended this summer, de Alexei Popogrebsky (Rússia).

Os Ursos de Ouro e Prata de melhor curta-metragem foram para, respectivamente, “H¤ndelse Vid Bank” de Ruben Ostlund (Suécia), e “Hayerida”, de Shai Miedzinski (Israel).

Prêmio Teddy (ursinho) de melhor filme gay e transsexual ficou com “The kids are all right” de Lisa Cholodenko (EUA) e o cineasta japonês Yoji Yamada levou o prêmio Câmera da Berlinale (honorífico).

O Urso de Cristal, decidido por um juri formado por crianças e adolescentes, ficou com “Neukölln Unlimited” de Agostino Imondi e Dietmar Ratsch (Alemanha).

Relação dos premiados:

– Urso de Ouro de melhor filme: “Bal” (Mel, em turco) de Semih Kaplanoglu;

– Urso de Prata – Grande prêmio do júri: “Eu cand vreau sa fluier, fluier”, do romeno Florin Serban;

– Urso de Prata de melhor cineasta: o franco-polonês Roman Polanski por “The ghost writer”;

– Urso de Prata de melhor ator: os russos Grigori Dobrygin e Serguei Pouskepalis pelo papel em “How I ended this summer” de Alexei Popogrebsky;

– Urso de Prata de melhor atriz: a japonesa Shinobu Terajima;

– Urso de Prata de melhor contribuição artística: Pavel Kostomarov pela fotografia de How I ended this summer, de Alexei Popogrebsky (Rússia);

– Urso de Prata de melhor roteiro: “Tuan Yuan” (Apart together), de Wang Quan’an (China);

– Prêmio Alfred-Bauer, nome do primeiro diretor da Berlinale: “Eu cand vreau sa fluier, fluier”, de Florin Serban (Romênia/Suécia);

– Urso de Ouro de melhor curta-metragem: “H¤ndelse Vid Bank” de Ruben Ostlund (Suécia);

– Urso de Prata de curta-metragem: “Hayerida”, de Shai Miedzinski (Israel);

– Prêmio Teddy (ursinho) de melhor filme gay e transsexual: “The kids are all right” de Lisa Cholodenko (EUA);

– Câmera da Berlinale (honorífico): cineasta japonês Yoji Yamada;

– Urso de Cristal da seção Generation 14 (crianças e adolescentes): “Neukölln Unlimited” de Agostino Imondi e Dietmar Ratsch (Alemanha). (G1)

ao topo