Política, amizade, arte

Chico Guedes:

Todo apoio à ênfase que vc dá para amizade (com o sub-tópico amor) e arte. Mas a política é incontornável. Gosto de sua fala contra a fulanização que se observa em tantas das denúncias atuais. Sinto falta de nós discutirmos mais mudanças em estruturas de estado e que tais. Porque anular voto não impedirá essas práticas medonhas, apenas limpará nossa consciência (com sabão em pó ou líquido, talvez algum ácido), no estilo “a culpa não foi minha”.
Máfias familiares e partidárias são horrendas, claro, e não só no Maranhão. Sinto a necessidade de debatermos se política tem que ser isso ou o voto nulo. Haverá outras possibilidades? A Filosofia Política, desde Platão e Aristóteles, passando por Santo Agostinho e Maquiavel, mais Morus, Rousseau e Montesquieu, os federalistas americanos, Tocqueville e Marx, chegando a Arendt e Marcuse, foi para nada?

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo