Pontos nos Is

A Funcarte lançou ontem sete editais de incentivo à cultura. A inicitiva, de cara, pareceu uma cópia à política de editais adotada pela Fundação José Gugu neste ano. Mas é bom lembrar que o inverso é a hipótese mais provável. No início do ano, o presidente da Capitania, mister Júlio César Revorêdo Serafim convocou a imprensa para divulgar os planos de gestão municipal para 2009. E nele estavam os editais culturais.

Independente de quem seja o pai da criança, ambos merecem elogios. À FJA, talvez o único elogio até o momento. Se conseguir mudanças significativas na Lei Câmara Cascudo também deixará uma pequena marca na gestão.

E só pra lembrar: este mês de maio deverá (ou deveria) ser publicada a edição mais nova da Preá, como previa o diretor Crispiniano Neto na entrevista que concedeu a este blogueiro. As justificativas para explicar o atraso de quase um ano para publicação do segundo número foram muito bem argumentadas. E agora?

Nenhum jornalista do meio cultural que conheço foi convidado para elaborar matérias para esta nova edição. E bem sei que, pelo menos as matérias de mapeamento cultural de municípios demoram pelo menos um mês para estarem prontas.

Tomara que eu esteja errado e até 30 de maio uma nova Preá seja lançada. Mas, pra mim, a história se repete.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo