Popularizar não é passe de mágica

Amigos e amigas:

Falta sustança no tal manifesto. A argumentação é pífia, adjetivosa. Nem me incomodo com o fato de serem desconhecidos: o vazio é pior. De boas intenções etc. Dicotomizar é anunciar regras e preconceito contra crítica e academia é apenas preconceito. Sou mais Cortázar: a massa merece Shakespeare (quer dizer: o que há de mais clássico) em estado puro, sem gelo. Acrescento: quem decide se experimentação presta ou não presta é o honorável leitor. Não tenho paciência para escrever manifesto mas defender a radical diversidade é necessário: vanguarda sem retaguarda e retaguarda sem vanguarda são ilusões de semiótica.

Abraços a todos e todas:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo