Por um jornalismo cultural de grandes reportagens e entrevistas para além do “Como tudo começou”

A partir de hoje, divido com Tácito Costa e Sérgio Vilar a missão de tocar este Substantivo Plural, veículo que há quase nove anos serve de referência no Rio Grande do Norte para muita gente boa – basta ver o time de colaboradores nas três listrinhas brancas ali no alto da página, à direta.

Mais que ansioso por ‘estrear’ no meio virtual, após seis anos de trabalho nos estertores de um jornal impresso, sinto-me estimulado para compor um novo projeto com dois jornalistas respeitados nesta esquina abafada e fascinante.

Vem de longa data minha admiração pelo Substantivo.

Queremos intensificar o contato com a cultura potiguar, através da cobertura de eventos, grandes reportagens (sim, nós acreditamos que elas são viáveis nesta plataforma) e entrevistas para além do ‘Como tudo começou’.

Até onde o caixa permitir, cruzaremos regiões norte-rio-grandenses em busca de boas histórias.

Creio que a imensa maioria dos natalenses esquece que dois terços dos potiguares moram Agreste e Sertão adentro, onde a junção do português medieval, de índios das serras, ribeiras e tabuleiros, e de escravos africanos trazidos do Daomé, de Luanda e da Costa da Mina forjou em ser diferente.

São eles que elegem deputados, senadores e governadores; que nos brindaram com alguns dos principais nomes da cultura potiguar. Sem buscar esse contato seremos eternamente copiadores do patrimônio alheio e, por tabela, mero adendo em uma nação cheia de problemas, mas desejada por meio mundo.

Por outro lado, Natal fervilha.

Nunca antes na história desta cidade se viu tanta gente envolvida com arte. Temos editoras, selos e festivais de música, bandas, atores, grupos teatrais, cineastas em posições estratégicas no cenário nacional – e não falo de geografia.  

Intensificar essa realidade empolgante aqui no Substantivo Plural é o motivo desta nota introdutória.

Muito em breve passaremos por uma reformulação que englobará tanto a identidade visual como o conteúdo do Substantivo. 

Crise no jornalismo, crise na economia, crise do individuo. Cruzamos os braços ou vamos pra guerra? As armas mudaram, mas as paixões são as mesmas. Espero contribuir nesta batalha.

 

Comentários

Há 7 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =

ao topo