Pq o de jornalismo?

Em 2004 fiz teste para emprego em uma empresa de publicidade. Eles exigiram apenas um bom texto, sintético, enxuto, nos moldes característicos da profissão. Passei. E olha que é uma das grandes daqui. Pelo menos era na época. E eu tinha acabado de entrar na faculdade de jornalismo, sem nenhuma experiência em publicidade.

Concordo com as opiniões de Daniel e Levino. Só discordo de o jornalismo ser o bobo da corte. Várias outras profissões são passíveis da anulação do diploma. Pq o jornalismo? Será em razão de alguns dos juízes terem sido vítimas da imprensa? Será para diminuir o alcance deste que é chamado “o quarto poder” (há algum tempo substituído pelo Ministério Público)?
Como jornalista me senti diminuído, sinceramente. Não temeroso. Empresas sérias saberão peneirar os bons profissioais. E se o cara for bom, sem diploma, ótimo. Seja bem vindo. Levino está aí para provar que existe vida fora das faculdades. Mas é exceção. E as exceções também são bem vindas. Longe o preconceito contra as minorias.

Mas a medida do STF desestimula universitários. Imagino cátedras de valores indiretos, digamos, à atividade, mas necessárias, como Semiótica. Vão se perguntar o porquê daquilo se outro está se capacitando melhor lendo Hemingway. Como disseram, a medida não vai mudar a bagunça do mundo. Ao contrário: queremos mudanças; quebras de paradigma. Mas para melhor. A Lei de Imprensa data dos anos de chumbo e sequer foi apreciada.

E falar em ditadura, para Sarney, a imprensa é sempre culpada, como se os jornalistas produzissem mil matérias secretas. Vai ver uma delas afetou os ânimos sensíveis dos nossos juízes. Daí a vingança. Gilmar Mendes que o diga.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

ao topo