Programação do Dia da Poesia da FJA e Funcarte

Adianto aqui algo da programação montada pela Fundação Zé Gugu para o Dia da Poesia, dia 14 de Março. Titia Isaura lançará o novo edital para o Prêmio de Poesia Luís Carlos Guimaraes, que nosso capitão-mor Tácito Costa conhece bem, já que foi jurado do prêmio por muitos anos, e também o lançamento do livro referente ao útimo concurso, com a publicação dos trabalhos dos poetas premiados.

A FJA também confirmou a presença de dois poetas para discutir poesia marginal. Um dos convidados será a poeta Clara Góes, filha de Moacir de Góes. A solenidade terá ainda o recital ‘Os Chicos’, da poeta e performer Civone Medeiros. Mais abaixo, uma poesia de Clara Góes, cuja poesia não é, definitivamente, marginal.

Pelo lado municipal, houve reunião hoje para discutir a programação da Funcarte. Por enquanto, sei que o poeta Eucanaã Ferraz foi convidado e confirmado pela Fundação para participar da feijoada e declamação de poesias promovida pela Sociedade dos Amigos do Beco da Lama e Adjacências (Samba). Mais detalhes de horários e locais, na sequência.

 

O desejo não conhece a regra do lugar
o costume da casa
ante-sala de coisa nenhuma.
O desejo não limpa os pés no tapete.
Chafurda na lama,
deita,
rola
e o rastro é ruim de apagar.

(Clara Góes)

 

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 2 comments for this article
  1. Alex de Souza 10 de Março de 2014 15:26

    será que a Funcarte dessa vez anuncia a ressurreição dos prêmios Othoniel Menezes e Câmara Cascudo? A gestão Carlos Eduardo/Dácio Galvão já engoliu mosca um ano…

  2. thiago gonzaga 10 de Março de 2014 16:41

    Sergio Villar acertou em cheio!

    Clara Goes , que é uma excelente poeta nascida aqui, mas radicada no Rio, mas nao se encaixa de maneira alguma como poeta marginal.
    Ela pode ate conhecer muito sobre o movimento, mas nao fez parte literalmente dele.

    Por sinal, ela nem esta inclusa na antilogia do J Medeiros,Poesia marginal potiguar dos anos 70-80.

    Clara publicou seu primeiro livro de poemas “As Aranhas” no final de 1989. Portanto o calor do movimento já tinha passado ha algum tempo.

    valeu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP