Programação do Natal em Natal 2015 será lançada nesta quinta, e o que podemos refletir sobre o evento?

O Natal em Natal nunca foi tão criticado após anos de excelentes números de público e atrações. Nesta quinta, a nova programação será divulgada a partir das 8h30 no Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte.

Como se sabe, este ano o megaevento será mais enxuto, movido pela crise nacional. Não muito, na verdade. Menos do que foi alardeado pelo própria prefeitura. Talvez pela pressão da classe artística.

O Festival Literário de Natal está praticamente intacto, inclusive com show de Gilberto Gil no lado externo. Os shows nacionais permanecerão nas Zonas Sul e Norte, no natal e no reveillon.

Margareth Menezes (de novo), Zé Ramalho (de novo), Paralamas (de novo), Daniela Mercury, Leonardo e Dorgival Dantas. Atrações do mesmo nível – inclusive de cachê – dos anos anteriores.

Os festivais gastronômicos também confirmados. Os autos natalinos, quase forçosamente, também. O audiovisual também conseguiu sua parcela. Então, teremos um Natal em Natal praticamente completo.

Isso tudo a despeito da crise. Isso tudo sem aumentar impostos. Muito disso tudo com planejamento e investimento privado. Isso tudo para não perder a continuidade de um projeto consolidado.

Só penso que o Natal em Natal precisa mais organização e muito mais divulgação. Ora, apesar do numeroso público local presente em cada evento, o propósito maior, ao meu ver, é consolidar um evento turístico, como Gramado, na mesma época.

Se o evento se organiza para o turista, fica excelente para o “local”. E gera mais renda para todos. E se quer consolidar Natal no período natalino para o Brasil, precisa de muito mais organização. E como poderia ser?

Defendo concentração de atrações em um local ou num corredor adequado ao pedestre. O Arena das Dunas seria sugestão, com espaço para shows no gramado, auditório para o Flin e outros eventos, e área no estacionamento para os festivais gastronômicos e autos natalinos.

Mas quem sabe estudar um tour entre a Ribeira e a Cidade Alta? Palcos e tendas no Largo do Teatro Alberto Maranhão até a Praça Sete de Setembro, incluindo a programação do Beco da Lama no período. É um corredor cultural e ideal para abrigar tudo.

Da forma como está, o turista se perde entre tantas atrações espalhadas e, principalmente, não fixa aquele show como programação de um evento maior. Era assim também com o Agosto da Alegria.

E, claro, a divulgação é importantíssima. Participei da assessoria de comunicação ano retrasado e está longe, mas muito longe do ideal. Faltam convites para jornalistas nacionais. Falta comprar espaço em mídias importantes. E falta equipe suficiente para divulgar tanta coisa mesmo no plano local!

Sou favorável ao Natal em Natal. Sou favorável a determinados eventos. Mas com mudanças estruturais e foco no turismo. Da maneira como está, soa e-vento, da forma pejorativa, no sentido pão e circo.

Ainda assim acho uma vitória a realização de todos os projetos, apesar dos muitos pesares. Lembremos da irregularidade do Agosto da Alegria, quando faltou apoio governamental, quando faltaram patrocínios privados, quando faltou planejamento. Não é fácil. Mas precisa evoluir, ousar e pensar além do voto.

FOTO: Fernando Chiriboga

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP