Pronominais

pronominais

Eu,
Eu, Tu,
Eu, Tu, Ela,
Eu, Tu, Ela, Nós,
Eu, Tu, Ela, Nós, Vós,
Eu,Tu, Ela, Nós, Vós, Elas,
Eu, Tu, Ela, Nós, Vós,
Eu, Tu, Ela, Nós,
Eu, Tu, Ela,
Eu,Tu,
Eu.

(Danclads Lins de Andrade).

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 5 comments for this article
  1. Francinaldo Oliveira 18 de Dezembro de 2010 1:53

    Tácito:
    Esse “setor” – à direita (lado) do blogue, de “Poesia”, vai piorando, dia a dia…
    Sou mais Jarbas, sonetista admirável (apaixonadíssimo e, agora, modernísimo e “desconstrutor”!), Nina, culta, doidona, gênio até (com toda aquela “coisa” estragada dos rincões do MST), o Carito (muito bom!)…
    O resto é puro resto!
    Pela madrugada, Tácito!

  2. Francinaldo Oliveira 18 de Dezembro de 2010 2:30

    E muito confete e serpentina – my God!

  3. Juliano Fischer 18 de Dezembro de 2010 10:42

    Francinaldo, sou leitor do SP e gosto dos poemas dos poetas citados po você e adiciono a esta lista: Gustavo de Castro, João da Mata, Ednar Andrade, Marcos Silva, dentre outros que a memória não me permite lembrar agora.

    Mas, tenho acompanhado, sem me manifestar, todas as poesias postadas aqui e não acho que haja uma queda da produção, ao contrário: os poemas são muito bons. Especificamente sobre este poema de Danclads (ô nome difícil), eu sinceramente gostei. Talvez você não tenha apreendido a mensagem do poema, mas é assim: no final só temos nós a nós mesmos. Não sei a idade (se isso quer dizer alguma coisa) de Danclads, mas parece ser uma pessoa madura, pois a poesia transparece isto.

  4. Juliano Fischer 18 de Dezembro de 2010 10:43

    Ah! E com uma cultura bem desenvolvida, também.

  5. deley 18 de Dezembro de 2010 20:36

    É isso aí mano véio, poesia é isso: dizer,sem dizer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP