solar-dos-garcia

Quando a história vem ao chão

O que foi feito de nós, potiguares? De que matéria somos constituídos? Por que não nos importamos com a nossa história? Que mal o passado nos faz?

Assim como fizeram ao icônico Hotel Reis Magos, outro exemplar borrado da memória de nossa capital veio ao chão neste domingo. O Solar dos Garcia, localizado no bairro de Petrópolis. Exemplar raríssimo da arquitetura modernista, foi varrido às pressas em um final de semana.

Demolição sorrateira e escondida, feita para que poucos a vissem.

Com traços raros e belos, a casa tinha em seu exterior um mural inestimável do gigante Newton Navarro, o que somente aumenta o tamanho do crime e a punição devida aos infratores cruéis.

O que chama a atenção ainda é a omissão de quem permitiu o ato e a comum e triste passividade dos potiguares (sim, digo potiguares e não apenas natalenses!) com a preservação da sua história.

Este estado vem sendo escandalosamente atacado há décadas por especuladores, políticos inescrupulosos, capitalistas predadores, escrotos e escroques de todas as ordens, que depredam, saqueiam e destroem tudo que cheira História em nome da ganância, lucro e de uma falsa modernidade. Tudo isso sob o passivo olhar de uma boiada que passa e nada faz!

Triste e cega boiada, tristes potiguares! Quo Vadis?

Vergonha!

Não há futuro para quem não preserva a história!


Adendo do SP: O solar foi demolido no silêncio dominical do dia 20. O prédio histórico estava localizado em Petrópolis, defronte à Praça das Flores. Nos últimos anos funcionou ali a Casa de Recepções Michelangelo.

Músico e jornalista. Praticante das coisas búdicas. Amante do blues e da democracia, mas atualmente confinado em nome da vida. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =

ao topo