Quatro mil metros de arte e suspeitas. Não é demais, Edemar?

Deneuve by Helmut Newton {no Google tem fotos lindas de Helmut}

“A preferência de Edemar é por fotografias de artistas modernos, como Helmut Newton e David Lachapele. Há uma sala só de livros antigos e cartas de nomes como Julio Verne e Albert Sabin. Na suíte do ex-bilionário, há sete quadros da última série de fotos de Marilyn Monroe feitas por Bert Stern.”

Li a notícia sobre as quatro mil obras de arte que existem na mansão do falido “capitão” do Banco Santos. Está numa matéria informada a partir do twitter de Tácito (sempre atualizadíssimo).

Impressionante como alguns “privilegiados” desse país e dalhures se apropriam, suspeitosamente, de coisas tão valiosas, sem pudor algum. Ao contrário, deitam-se e se deleitam em suas mansões, em meio ao produto de desvios e taras.

A “casinha” de Edemar tem somente quatro mil metros quadrados, o que dá, numa conta fácil de se fazer, pelo menos uma obra de arte a cada metro quadrado (será que contabilizaram o número de obras corretamente?).

De qualquer sorte, independentemente do número exato das obras de Edemar, quantos museus e pinacotecas públicos ficariam muitíssimo bem com um patrimônio artístico como esse relatado na matéria?! Quantos cidadãos (em detrimento dos vips convidados para o whisky e orgias etílico-gastronômicas, além de …) poderiam desfrutar desse patrimônio da humanidade?!

O IPHAN tem mesmo que ficar de olho…

p.s. Dizem as más línguas que, no Brasil, tem um outro famoso colecionador que faz de “um tudo” para obter suas peças artísticas (tem um gosto especial por arte sacra). Sabem o nome dele? Vou dizer só uma parte do sobrenome (ou é apelido?): Ribamar.

O resto? Sei lá! Sei de nada não! Tenho nadicas com isso!

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + 19 =

ao topo