Que é Letra de Canção?

http://1.bp.blogspot.com/-TzLGNUon24U/UKVaeewqtpI/AAAAAAAAAdI/XrqQv838Hoc/s1600/chico+1966.jpg

O gênero “música popular” é extremamente diversificado, quer em estilo, quer em qualidade. Além disso, abriga subdivisões como música instrumental e canção. No último caso, o texto é de fundamental importância.

É comum, no Brasil, dizer-se que os bons letristas são poetas como forma de elogio. Dois dos melhores letristas brasileiros – Chico Buarque e Caetano Veloso -, em mais de uma ocasião, reiteraram que não faziam Poesia e sim Letras de canção. No passado, Manuel Bandeira considerou o verso “Tu pisavas nos astros distraída” (de Orestes Barbosa)  excelente  –  “o verso mais bonito de nossa língua” – mas não entendeu o texto de “Chão de estrelas” como Poesia.

Não vejo naquela atitude  de Caetano e Chico modéstia, penso que os dois revelam consciência do trabalho textual que fazem. Poesia não equivale a verso (velha lição de Rimbaud, que Bandeira retomou indiretamente). Letra de canção não é necessariamente Poesia, embora, em algumas ocasiões, também o seja – nos casos daqueles dois, cito “Soneto” e “Janelas abertas nº 2”. Quase sempre, as letras são crônicas, contos, notícias, cartas, tantas outras textualidades.

Isso não as torna melhores nem piores que qualquer outro gênero textual. Letras específicas podem ser muito melhores que romances específicos, sem demérito para os gêneros de que fazem parte. Em artes visuais, desde fins do século XIX, ficou claro que a fechadura de um prédio pode ser muito mais importante artisticamente que uma pintura histórica exibida em seu salão nobre.

Quando comentei que Chico Buarque poderia participar de evento internacional como bom autor de letras de canções, não o desmereci. Pelo contrário, quis dizer que ele é um bom escritor de letras de canções, façanha similar a ser um bom romancista. Prefiro a letra de “Retrato em branco e preto” (e mais umas outras cinquenta letras que ele escreveu) ao romance “Estorvo”. Penso mesmo que, numa seleção de escritores brasileiros do século XX (e XXI…), as grandes letras de Chico Buarque figuram tranquilamente ao lado dos romances e contos de Clarice Lispector ou dos poemas de Murilo Mendes.

Resumo da ópera: ser escritor de letras de canções é ser escritor. No caso de Chico Buarque, considero que ele é um dos melhores escritores brasileiros nesse universo. Quanto a seus romances, melhoraram desde “Fazenda modelo”, de 1974, mas não atingiram o nível das canções. Embora, certamente, sejam mais legíveis que as tentativas similares de Décio Pignatari, Paulo Francis, Jô Soares e Chico Anísio.

Os romances de Chico Buarque evidenciam estudo, trabalho. Falta o fogo de “Boi voador não pode”. Mas qual a obrigação de levar esse grande fogo para outros textos? Basta ter conseguido manter a chama acesa naquela e noutras tantas letras de canções para ser um bom escritor!

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 1 =

ao topo