Quem ameaça a democracia?

Amigos e amigas:

Li o texto “Ameaça à democracia”, sobre a performance de Pedro Costa. Senti muita tristeza porque o texto não consegue articular uma crítica, apenas expressa preconceitos e o faz num nível muito preocupante. Como todos sabem, preconceito é o anti-pensamento, é o estado de certeza imune a diálogo com a diferença. O trabalho de Pedro Costa, como toda obra humana, pode e deve ser criticado. Criticar não é um convite a proibição. Criticar é um esforço de compreender, explicar, demonstrar – contra ou a favor.
Quanto às falas absurdas sobre gays e poderes, contidas naquele escrito, penso que elas não merecem qualquer comentário em nome de nosso pudor e de nossa dignidade intelectual e política.

Performances e outras manifestações artísticas devem ser analisadas dentro de parâmetros argumentativos dignos. Bradar preconceitos é se nivelar ao que há de pior na sociedade. Devemos proteger-nos disso. Conhecemos exemplos históricos de preconceito: Inquisição, Nazismo… Nada disso é brincadeira.

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Go to TOP