Quem dera

quem dera

Eu, ébria, louca, alucinada.
Quem dera,
Pudesse traduzir tanto silêncio,
Silenciosamente, tocasse a alma do vago,

O uivo que habita este espaço.
A margem gelada deste rio,
Que chorando arrasta-se no escuro breu,
Na noite vã…

Na total escuridão da verde folha,
Na sublime, agonia, que este querer
Faz tremer minha carne…
Quem dera, pudesse,

Beijar a boca da apneia,
Cair nos afagos do somente,
…E como quem na verdade sente,
Caísse trêmula, apenas somente…

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 7 =

ao topo