Quem são os responsáveis?

Caro Marcos, nada há o que agradecer. Estamos aqui para isso. Agora olhe aqui, a idéia de conciliar a ontologia com Marx, Freud e Mauss não sei se cabe. De qualquer forma quem tentou isso, pelo menos no que diz respeito a Marx e Freud, pelo que sei, foi Wilhelm Reich e depois Louis Althusser. Não foram bem sucedidos. Caberia até um artigo sobre cada um deles. Mas entendi o que você propôs, ainda que Freud e Marx tenham sidos materialistas radicais cada um ao seu modo. Já a idéia de mistura passando pelo social me seduz, sem dúvida, o que, diga-se, é algo próprio do mundo moderno. Algo que defendi no meu texto. Haja vista que as mulheres por exemplo, que não faziam parte do universo social (com raríssimas exceções), até a chegada do mundo moderno, passaram a disputar de igual para igual com os homens seu espaço social e no mundo, o que só foi possível, de uma forma mais visível com o surgimento do mundo moderno. Quem melhor explicou e falou sobre isto, foi o grande Bernard Shaw. Marx também defendeu isso, e acredito que você sabe. E acho também que o relevativismo, entenda, que você propôs não é uma boa saída. No meu ponto de vista. E acho até sinceramente, me permita dizer, que até em muitos casos, é até antiético. Entenda. Como disse e volto a repetir não tinha interesse em relativizar a nação. Se você for para o Chile, EUA as normas estão definidas. Aqui não. Há anteparos? Aqui não. Por isso não há punição. Tentar relativizar apenas, ergue resistências. Que já são inúmeras. Quais os avanços em relação a isso? Sinceramente, nenhum. È trocar seis por meia dúzia, no melhor dos negócios. É isso que queremos? É isso que você, pessoalmente, quer? Sinceramente não é isso que eu desejo. Já desvirtuarmos o debate para por a culpa apenas em “arrudas”, é sinceramente, o comum nesse país. O comum, veja bem. A pergunta é: quem de fato é responsável por um país? Pense. É uma proposta.
Abraços,

ao topo