Querido amigo Zanoni (carta que nunca te enviei)

Por Ednar Andrade

Pensando… (Sento-me no trono da necessidade real ); Executando a necessidade física e pensando… Que bom, que bom seria se o homem de pé Evacuasse da vida as coisas sem sentido, As coisas que o deixam de joelho (uma vida) E solto um riso, um riso mudo… Que só escuta meu próprio ouvido. Demoro um pouco aqui pensando: O homem, na sua maioria, prefere ser evacuado (…) E limpado a ser limpo. Limpo de preconceitos ou sinônimos do termo, etc, etc, etc. Eu? Bem eu, mando pra p… Num jato todas as m… da vida. Prefiro ser limpo; nunca ser limpado. E aí, saio do trono, puxo a descarga: chuá. Pensando? Hum, bem, pense. Eu, tomo um banho e saio rindo, não é? Seria mais fácil, pense, é!

PS. Caro amigo Tácito, este texto é datado de 08.05.1984. E por falar em saudade, onde anda Zanoni que a gente não vê?

Comentários

Há 11 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − doze =

ao topo