Recordando Oswaldo

Recordo um tempo de cristas de galo. Recordo meu querido amigo e conterrâneo Oswaldo Lamartine (Foto/Google: João Maria Alves). Não tenho palavras. Com ele foi um pouquinho de mim e o melhor da nossa escrita a ferro e fogo. Sabia que ele estava muito doente, fazia tempo. Nunca entendi esses gestos extremos, embora tenha por eles um enorme respeito. Respeito ao inescrutável da alma humana. Não sei a suas motivações e causas.

Não existe saber para essas coisas. Também não existe um culpado. Oswaldo, um escritor de um estilo primoroso. Oswaldo que era um dos maiores intelectuais desse estado. Que sofria com a degradação da cidade e de seus referenciais. Ele que era consultor de grandes escritores e referencia mundial quando se tratava de assuntos do sertão. Agora, pode-se dizer mesmo: Do sertão do nunca mais. Tinha muitos livros escritos sobre ferros de marcar boi, açudes, abelhas, etc. Pena que seja pouco lido. Pena que seja tão pouco conhecido na academia.

Ficamos mais órfãos. O que resta senão chorar e agradecer o seu feito.

Sábado Barroco

Manhã-Sábado missa do Oswaldo
Presença de Santa Terezinha
Um cantochão de dores
A ferros-de-marcar boi do sertão
Do nunca Mais
Contemplação nos Rosários
No convento Santo Antonio
Uma meditação barroca.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + um =

ao topo