Reforma?

reforma

Quando “a emenda saiu pior do que o soneto”
(Bocage).

A expressão surgiu, contam, quando o poeta português, Manuel Maria Barbosa do Bocage, recebeu um soneto de um jovem, o qual lhe pediu que corrigisse os erros marcando-os com cruzes. Entretanto, ao analisar o poema, Bocage verificou que eram muitos os erros contidos ali. Diante disso, o poeta não marcou nenhuma cruz no soneto, devolvendo-o como o recebeu. O jovem estranhou e indagou ao poeta que se justificou dizendo que os erros eram tantos que “a emenda saiu pior do que o soneto”.

A exemplo do que aconteceu ao jovem, penso que estamos diante da mesma situação; melhor do que interditar o espaço poético seria, ou será, o editor voltar à forma anterior a esta e estudar separadamente, sem mexer na poesia. Vale ressaltar que não estou defendendo ou acusando nada, nem ninguém, visto que todos me conhecem e sabem que não sou disso e fazendo menção ao comentário curto, certo e seguro de Marcos Silva: lamento, precisamos da poesia.

Muitas vezes, não convém remediar o que está funcionando bem, mesmo de forma não tão satisfatória a todos, pois a mudança pode sair pior. Assim, reforço, não seria o momento em permanecer como estava?

Particularmente, devo agora aproveitar esta oportunidade em que todos estão questionando o que ninguém havia questionado, para dizer que: sim, a mudança trouxe uma certa distância que causou uma sensação de afastamento entre todos, mais pareceu, no momento, a Torre de Babel, onde todos falavam línguas diferentes e ninguém se entendia. Com o passar do tempo, as coisas foram se acomodando, encaixando, restando alguns acertos, sim. Nisto todos concordam, creio.

Tácito, não é minha intenção criar polêmica, mas se começares a seguir a opinião de todos, para satisfazer a todos, mesmo fazendo permanecer a democracia que a ti é peculiar, a coisa pode piorar.

Vou baixar um pouco, aqui, os meus dizeres, já que saberes não tenho e dizer algo que gosto de refletir: panela que muitos mexem… Ou sai insípida ou salgada. Assim, vale pensar e repensar. Gira a chave e provisoriamente transforma o que é espaço principal num espaço onde caberá a poesia e, com certeza, ninguém tropeçará nela até que a reforma da casa termine.

A todos, abraço.

De todos, saudade.

Comentários

Há 14 comentários para esta postagem
  1. Anchieta Rolim 10 de setembro de 2013 17:31

    BELEZA PURA, EDNAR. MASSA!!!

  2. Danclads Lins de Andrade 9 de setembro de 2013 20:46

    Rsrsrsrs… Pode beijar amigo, ela merece…

    Abraço, Marcos.

  3. DAMATA 9 de setembro de 2013 19:03

    Onde está a poesia que ficou massa? kkkkkkkkkkkk

  4. Danclads Lins de Andrade 9 de setembro de 2013 17:57

    Maravilha, Tácito. Comemorando a volta da poesia. Apesar do susto, com a possibilidade remota de ficarmos durante algum tempo sem poesia, nunca duvidamos da capacidade do Editor e da Velty.

    E, como todos sabem, sou suspeito em comentar Ednar Andrade, mas a poesia do SP, assim como ela disse, poderia ocupar qualquer espaço do blog provisoriamente, sem ser atropelada. Não poderia é faltar.

    Que bom que a reforma terminou e tudo está funcionando bem.

    E viva a poesia!

  5. Ednar Andrade 9 de setembro de 2013 17:06

    Eu também,Lívio. 🙂 E como diria Anchieta: ficou massa!!!

    …E o dia anoiteceu em poesia* Rs…..

    Abraço,Lívio!

  6. Lívio Oliveira 9 de setembro de 2013 16:38

    Rio…

  7. Ednar Andrade 9 de setembro de 2013 16:35

    …Quem pode parar o rio? 🙂

    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

    A todos,beijos e paz………. Sigamos >>>……….

    Poesia* JÁ.

  8. Lívio Oliveira 9 de setembro de 2013 16:03

    Puxa vida, como há reações e resistências contra o novo neste mundo! Tácito, valeu pela paciência e pela firmeza de propósitos e de vontade! Acredito que estávamos mesmo certos. Mais uma vez. Mais uma vez.

    • Tácito Costa 9 de setembro de 2013 16:20

      Vamos experimentar o novo formato e se precisar de ajustes a gente vai fazendo. Na minha visão, resolvemos duas questões: um espaço mais amplo para os poemas, muitos contam com formatações peculiares que aquele espaço estreito anterior não comportava; trouxemos os comentários pra cima, dando-lhes mais visibilidade, o que estimula o diálogo e o debate. Nosso propósito sempre foi e será fazer o melhor blog possível, algumas vezes as mudanças não acontecem com a rapidez que a gente deseja por questões técnicas ou porque a Velty tem outros serviços na frente. É isso. Aproveito para agradecer as sugestões de todos. Vamos em frente!

  9. Ednar Andrade 9 de setembro de 2013 15:59

    Marcos,podes beijar-me. Rsssss… 🙂 Beijo recebido e devolvido.

    Saudades de ti 🙂 Eu te amo ,amigo *

  10. Ednar Andrade 9 de setembro de 2013 15:46

    Aê!!!

    …E todos ficaram felizes 🙂 Haha!!!!

    poesia sempre >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

  11. Marcos Silva 9 de setembro de 2013 14:07

    Danclads, dá licença: maior beijão na Ednar.

  12. Tácito Costa 9 de setembro de 2013 10:19

    Ednar, querida, obrigado por suas considerações. Em breve, o espaço para a poesia será restabelecido. Não quero pedir para a Velty desfazer o que foi feito porque acredito que podemos melhorar as duas diagramações que resultaram do novo projeto gráfico. Esse espaço atual é muito estreito e inapropriado. De qualquer forma, se até o final desta semana a Velty não resolver a questão a gente libera a publicação e fica aguardando a mudança solicitada. Saudades suas também. Abs em todos.

    • Tácito Costa 9 de setembro de 2013 13:56

      Amigos, a poesia está de volta. Meu agradecimento especial a Caio, da Velty, pela presteza e, sobretudo, paciência comigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo