quilombo da ciência - movimento negro

Representatividade da Mulher Negra é tema de live neste sábado

O Quilombo da Ciência promoverá uma Live com o tema: Representatividade e Representação Midiática da Mulher Negra. A discussão será mediada pelo biólogo e mestre em Ecologia, o baiano Ricardo Santos Nagô e com a participação das potiguares Ana Paula Campos, educadora, escritora, colunista e contadora de histórias pretas, e Idyane França, artista, poeta e jornalista, ambas ativistas do Movimento Negro.

A Live acontecerá neste sábado, 29, às 19h,  E será transmitida simultaneamente nos canais do Youtube do Quilombo da Ciência e nas plataformas digitais do Colegiado de Psicologia da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), parceira do projeto.

“Numa sociedade é estruturalmente racista, em que pessoas negras são violentadas, silenciadas, invisibilizadas, desacreditadas. Ter um Coletivo que acolha e que potencialize seus saberes é de extrema necessidade. É lutar por uma sociedade mais justa e igualitária.” – Idyane França.

Quilombo da Ciência

O Quilombo da Ciência é um coletivo formado por cientistas e intelectuais negros, fundado nas redes sociais no dia 18 de maio de 2020. Foi criado em decorrência do silenciamento e apagamento intelectual que o povo preto tem sofrido dentro e fora das academias e centros de pesquisa brasileiros.

Ele nasce com o intuito de promover cientistas pretas e pretos, de retintos a pele clara que estão produzindo ciência no Brasil e no mundo, tendo como objetivo aquilombar as produções, discutir propostas e parcerias, divulgar trabalhos científicos e literários nas diversas áreas e atuações.

 Ações pontuadas do projeto:

Quilombo Bilíngue

De forma voluntária pessoas dentro do quilombo que apresentam fluência nas línguas inglesa e espanhola promoverão aulas remotas, uma vez por semana para os integrantes do Quilombo da Ciência. Uma vez que, a ciência mundial é baseada e produzida na língua inglesa

Tutoria Profissional

A cada 15 dias, os profissionais do Quilombo da Ciência promoverão palestras sobre suas respectivas áreas, para que jovens que almejam entrar no mercado de trabalho consigam um direcionamento sobre possíveis cursos, dentro das universidades espalhadas pelo país.

Além disso, esses profissionais poderão promover palestras sobre outros parâmetros dentro da sua formação, como por exemplo, biólogos podem abordar áreas voltadas para a conservação dos ecossistemas brasileiros.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 5 =

ao topo